Estudo mostrou que mudanças simples de hábitos podem ajudar a ajustar o relógio biológico

Cientistas ensinam técnicas para "treinar" seu corpo a acordar mais cedo
Cientistas ensinam técnicas para “treinar” seu corpo a acordar mais cedo

Ter um sono de qualidade é essencial para manutenção da saúde e do bem-estar, porém a grande dificuldade das pessoas é se encaixar nos horários de sono impostos pela sociedade sendo, na maioria dos casos, das 22h30 às 6h30.

Se você é um daqueles que prefere ficar acordado até tarde e têm dificuldades para acordar no dia seguinte, saiba que uma nova pesquisa fez excelentes descobertas para que esses indivíduos consigam ajustar seu relógio biológico para um horário mais aconselhável.

O estudo foi centralizado nos chamados “corujões”, pessoas com predisposição natural a ficar acordados até tarde da noite. Para investigação, os cientistas verificaram o comportamento de 21 “notívagos extremos” que costumavam ir dormir às 2h30 e só despertavam depois das 10h.

Os participantes tiveram que adotar técnicas simples para regular o sono, durante um período de três semanas elas seguiram as seguintes instruções:
Acordar 2 a 3 horas mais cedo que o habitual e pegue sol ao ar livre pela manhã Tomar café da manhã assim que possível Praticar exercício físico apenas pela manhã Almoçar na mesma hora todos os dias e não coma nada depois das 19h Cortar a cafeína depois das 15h Não tirar cochilos depois das 16h Ir para a cama 2 a 3 horas mais cedo que o habitual e reduzir a iluminação à noite Manter os mesmos horários de sono e vigília todos os dias.




Os resultados, publicados na revista científica “Sleep Medicine”, mostraram que todos os participantes conseguiram adiantar com sucesso seus relógios biológicos e ainda dormir as mesmas horas de sono. A análise foi feita por pesquisadores das universidades de Birmingham e Surrey, no Reino Unido, e a Universidade Monash, na Austrália.

Além disso, os voluntários relataram níveis mais baixos de sonolência, estresse e depressão. Em entrevista à BBC News, Debra Skene, professora da Universidade de Surrey, revelou que estabelecer rotinas simples para o sono ajuda a melhorar a saúde física e mental.

Embora essas mudanças de hábitos pareçam óbvias, os investigadores não sabiam como as pessoas com tendência a dormir tarde reagiriam.

“Ser capaz de ajudar uma boa parcela da população a se sentir melhor sem uma intervenção particularmente radical é muito importante”, afirma Andrew Bagshaw, da Universidade de Birmingham.

Prejuízos de dormir tarde

Um estudo recente realizado por pesquisadores da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, mostrou que o hábito de ir dormir tarde está associado a um risco maior problemas de saúde e morte prematura.

Segundo a pesquisa, pessoas noturnas também tendem a ter mais chances de sofrer com diabetes, distúrbios neurológicos, distúrbios psicológicos, distúrbios gastrointestinais e respiratórios. Além disso, eram mais propensas a fumar, ingerir álcool, beber café e usar drogas ilícitas.

Fonte: BBC News