Requerimento foi escrito por um despachante em 1918.
Geral

Resgate do G1 de documento com pedido de Santos Dumont para ter o cachorro Bob em sua casa no RJ

Requerimento foi escrito por um despachante em 1918.

Requerimento foi escrito por um despachante em 1918.
Requerimento foi escrito por um despachante em 1918.
No dia do aniversário de 146 anos do pai da aviação, uma série de curiosidades revela como era a rotina do mineiro em Petrópolis, onde construiu “A Encantada”. No dia do aniversário de Alberto Santos Dumont, o G1 resgata curiosidades da passagem do pai da aviação pela cidade de Petrópolis. Desde o pedido feito à Prefeitura para ter um cachorro em casa até a rotina e os hobbies que o mineiro tinha enquanto se refugiava na Serra Fluminense. Nascido há 146 anos em Minas Gerais, Santos Dumont viveu em Petrópolis entre os anos de 1918 e 1932. A casa que construiu, conhecida como “A Encantada”, atualmente abriga um museu em sua homenagem. Entre as curiosidades resgatadas pelo G1 está a paixão de Santos Dumont pelos animais. Nos documentos históricos, está um requerimento de 1918, quando ele pediu à Prefeitura de Petrópolis, por meio de um despachante, uma licença para possuir um cachorro chamado Bob, de raça policial e cor amarela. O pedido foi deferido e o requerimento faz parte do acervo da Biblioteca Municipal Gabriela Mistral. Segundo o historiador Joaquim Eloy, era uma formalidade comum na época. Eloy é pesquisador da trajetória do pai da aviação e disse que Santos Dumont era muito apegado aos animais. “Ele construiu uma casa para um homem e morava sozinho. Então é muito compreensível que ele tivesse um cão para proteger o local”, disse Joaquim. O historiador citou ainda um trecho do livro: “Uma Casa Muito Encantada”, de Francisco Luiz Noel, que conta a história da construção da casa projetada por Santos Dumont. O livro cita a presença do cachorro Bob. “Na Encantada, o animal ficava numa corrente, que se movimentava ao longo de um arame. Bob era uma companhia frequente do dono nas ruas”, diz um trecho da publicação. Rotina na cidade Segundo Joaquim Eloy, apesar de Santos Dumont só passar a morar na cidade a partir de 1918, desde o início do século, o pai da aviação já frequentava Petrópolis. Na época, ele se hospedava no Palace Hotel, onde hoje funciona a Universidade Católica de Petrópolis (UCP), que fica em frente ao local onde construiu sua casa. “Ele também fez muitos amigos na cidade, então, às vezes ficava na casa deles”, revelou o historiador. Além disso, Eloy afirma que Santos Dumont era muito popular na cidade. “Ele passeava pelas ruas do Centro Histórico, conversava com todos. Apesar da fama internacional, tinha hábitos simples e construiu uma casa cheia de novidades para a época”, disse. O historiador revelou ainda que o pai da aviação era praticante de tênis e que estava sempre usando roupas elegantes. Eloy contou que os registros estão nos jornais e revistas da época, que sempre noticiavam a chegada de Santos Dumont à cidade e a participação dele em festas e jantares.

Comemoração

Neste sábado, haverá comemoração pelo aniversário de 146 anos de Santos Dumont, no Museu em Petrópolis. A festa, com entrada gratuita, começa às 9h30. O evento vai contar com a participação da Banda do 32º Batalhão de Infantaria Leve e da Aeronáutica. Na celebração, um ator vai interpretar Santos Dumont, recebendo turistas e petropolitanos. Fonte: G1